Derretendo

Sábado é dia de relaxar, então segue uma crônica para a galera que gosta de ler. Apreveitem.

Derretendo

Derreteu

Derreteu

Com certeza a única coisa que é mais difícil que abrir os olhos todos os dias ao acordar, é trabalhar 8 horas a fio dentro de um cubículo quente cheio de gente apressada. A única saída deste inferno é a porta da frente, mas a ironia não o deixa sair, já que é exatamente pela porta da frente que seus problemas começam.

Não era só o “trabalho de presidiário”, como alguns amigos me zombam, que deixa meus nervos a flor da pele. É aquele calor, aquela gente suada, a falta de educação por falta de tempo. Na verdade, as minhas funções são simples. “Bom dia! Creme, chocolate ou mista?”, depois disso basta um pouco de habilidade, mas isso se aprende com o tempo. Adaptação.

Em uma cidade que o calor dura as quatro estações do ano, ele passa a ser mais um fator irritante no dia-a-dia. Não é que o frio seja melhor, cada um tem seu charme, mas assim dá pra perceber melhor que o inferno é a própria Terra. O ônibus já vem lotado e suado, a comida gordurosa bafora tanto quanto as poucas brisas que circulam no ar. O tempo se derrete, e vai rastejando, isso nas horas de trabalho, claro!

Então entre uma condução e outra, as pessoas procuram um oásis, acho que é essa minha função. A ironia, essa não larga do meu pé, é que passo tanto tempo sem tempo refrescando os outros, que não consigo me refrescar. A fila cresce no mesmo ritmo que distribuo os pedidos. Precisava de uma chaminé na minha cabeça. Fica-se lá, trabalhando, suando, e vendo seus clientes com tudo que se precisa naquele momento.

Calor é bom para ficar à beira d’água. Tomar cerveja gelada e olhar as mulheres. Mas, as pessoas teimam em colocá-lo para trabalhar. “Bom dia! Creme, chocolate ou mista?”. Na mão, casquinha, guardanapo e sorvete. Na boca, sede.



Deixe um Comentário